Rituais para Tarô

Todos nós temos rituais para cada coisa que fazemos desde o início do dia. O modo como escovamos os dentes, arrumamos a pasta de trabalho, nossa mesa do escritório, e assim por diante. Embora tão próximos de nós esses rituais são vazios! Totalmente destituídos de significados, mas importantes para a maioria das pessoas. Uma quebra qualquer nesse padrão e muitos se sentirão desorientados por uma mudança de hábitos tão abrupta.

Entretanto, quando os rituais possuem algum significado de cunho espiritual, vemos uma estranha reação típica dos tempos e dos homens modernos. As pessoas desconfiam, zombam e tendem a manter um ar de suspeita quanto à validade de tais cerimônias.  Outros que tentam se servir de tal expediente de interiorização, escondem que o fazem, temem a exposição ao ridículo. Depois de nos acompanharem por milhares de anos os ritos estariam fadados a sumir?…

A revolução aquariana chegou, entretanto, para lembrar-nos de que os ritos são a ante-sala do inconsciente. Os rituais são os preliminares dos mundos interiores.

Tenho observado ao longo de meus muitos anos de troca com pessoas que se dedicaram a uma ou duas disciplinas tidas como místicas ou esotéricas, que todos acabaram adotando uma forma de trabalhar ou sintonizar-se muito peculiar, e que se revelou ao longo do tempo, com o método da tentativa e erro. Ou foram revelados por mestres ou professores que inspiraram definitivamente o modo como tais pessoas trabalham. (…)

Eu mesmo adotei uma forma muito minha de lidar com o tarot, depois de tentar muitas outras. A forma com que trabalho hoje é a que mais me inspira, relaxa e “abre” meus canais perceptivos intuitivos ao simbolismo das cartas e às emanações psíquicas de quem vem me consultar. Meus alunos são a prova clara do quanto a consciência mais profunda de cada um é quem escolhe os rituais que melhor servem de veículo para uma canalização do inconsciente coletivo. Uns adotaram o meu modo de jogar, pois assim como eu foram tocados pela mesma “magia” por assim dizer. Outros porém, adaptaram os meus métodos às suas próprias necessidades, ou continuaram a buscar o seu modo específico de operar.

Sinto que três ritos são fundamentais para se manter com a prática do tarot:

1.A CONSAGRAÇÃO DO BARALHO: É a preparação do tarot para um início de atividade oracular e muitos métodos existem. O mais simples é enrolar as cartas num pano negro que o protegerá das energias externas. As cartas deverão ser colocadas em ordem, dos arcanos maiores para os menores, com O Mago (O grande canalizador) à frente do baralho e O Louco no fim. Os arcanos menores deverão ser arranjados na ordem dos naipes, do mais sutil ao mais denso. Paus primeiro, depois copas, espadas e por último ouros, o naipe da concretização. Os arcanos da corte vem primeiro, rei, rainha, cavaleiro e valete (Ou princesa). Essa ordenação alinha a força arquetípica do tarot à sua potência original zerando todas as influências que as cartas receberam desde que saíram da gráfica. Feito isso o maço de cartas enroladas no pano deverá ficar num lugar onde seja visto diariamente,  como uma gaveta de roupas íntimas, ou colocado sob o travesseiro por um período de sete a nove dias de uma lua crescente ou cheia, que são estimuladoras da psique.

2.O EMBARALHAMENTO: É fundamental! Você deve sentir primeiro quem deve embaralhar as cartas. Muitos tarólogos sentem que o consulente deve embaralhá-las para que a sua energia esteja definitivamente incluída no processo. Eu, por exemplo, não sinto assim. O fato de aquele que se consulta escolher as cartas para formar o sistema de leitura é muito mais determinante para mim. Depois decida se os arcanos maiores e menores deverão ser misturados durante o processo ou se passarão pelo procedimento em separado para depois serem combinados no transcurso da leitura. O embaralhamento das cartas foca a atenção não permitindo que a mente divague, tornado-a mais aberta e receptiva ao incognoscível. Uma disposição fundamental para o trabalho intuitivo com o tarot.

3. O SISTEMA DE ABERTURA: Todos possuem um sistema de leitura com o qual mais se sintonizam para captar a energia psíquica de quem os procura. Existem inúmeros sistemas de métodos de leitura, todos os tarólogos têm um conjunto de sistemas favoritos. Uns mais abrangentes, que revelam o planisfério geral, e outros mais específicos, adaptados para cada tipo de pergunta realizada. A prática contínua desse método inicial alargará cada vez mais o seu canal intuitivo, criando atalhos perceptivos para que você acesse as informações que deseja. A Cruz Celta (A minha favorita) e A Mandala Astrológica são exemplos bem sucedidos de leituras de tarot em uso.

Reflita sobre a importância que os seus rituais pessoais tiveram na formatação e desenvolvimento do seu potencial sensitivo e tarológico e assuma-o, mostre-o e ensine-o! Você estará inspirando outros buscadores com a sua própria experiência, ou incentivando uma busca aprofundada do si mesmo de cada aluno através do tarot.

JAIME E. CANNES
jaimeecannes@yahoo.com.br

  • Fernando Paim

    Ola, socorrro eu o consagrei uma cinco bezes ao mesmo tempo entao a minha pergunta: esta consagrado?