Os Arcanos Pessoais

Quando associamos Tarô com Numerologia, podemos extrair do nosso nome o Arcano Maior Pessoal, representado pelo nosso número-chave (a somatória de todos as letras do nosso nome).

Para isso, é preciso calcular utilizando a tabela numérica da Cabala, a seguir:

A = 1 G = 7 N = 40 T = 100
B = 2 H = 8 O = 50 U, V, W = 200
C = 3 I, J, Y = 9 P = 60 X = 300
D = 4 K = 10 Q = 70 Z = 400
E = 5 L = 20 R = 80 TIL = 40
F = 6 M = 30 S = 90

Por exemplo, se pegarmos o nome de NAPOLEÃO BUONAPARTE (seu nome de batismo) teremos como síntese o Arcano Pessoal 15 – O DIABO.

Fica evidente desta forma tanto os aspectos positivos: força, carisma, ambição, vontade, energia, poder; quanto os negativos: abuso, excesso, raiva, vícios, doenças, prepotência –  indicados por esta lâmina. (…)

Além disso, as pessoas nascidas com o Diabo como Arcano Pessoal, têm a tendência à grandeza e geralmente são pessoas dotadas de extrema inteligência e força de vontade.  Infelizmente muitas delas acabam não chegando à lugar algum, pois dissipam seus bens em maus negócios ou em vícios e abusos de todo tipo, perdendo então o fruto de sua potencialidade.

Por isso, tomar conhecimento de nossas potencialidades e fraquezas, nos torna mais fortes, pois só é possível modificar aquilo do qual temos consciência.


Veja a seguir, algumas características-chave de cada Arcano Maior:

I – O Mago

·        Curiosidade, habilidade, inteligência;

·        Mentira, superficialidade, inquietação;

II – A Sacerdotisa

·        Zelo, análise, observação, intuição;

·        Passividade, insegurança, dependência;

III – A Imperatriz

·        Espontaneidade, generosidade, criatividade;

·        Ciúmes, infidelidade, vaidade, dissipação de bens;

IV – O Imperador

·        Autoridade, segurança, responsabilidade;

·        Tirania, controle, teimosia;

V – O Papa

·        Ética, dever, moral;

·        Fanatismo, ansiedade, ceticismo;

VI – Os Enamorados

·        Romantismo, Senso estético, sociabilidade;

·        Carência, indecisão, fragilidade;

VII – O Carro

·        Coragem, motivação, liderança;

·        Combate, irritação, impulsividade;

VIII – A Justiça

·        Retidão, equilíbrio, magnitude;

·        Hipocrisia, autopunição, falsa modéstia;

IX – O Ermitão

·        Sabedoria, paciência, orientação;

·        Frieza, isolamento, dificuldade em esquecer o passado;

X – A Roda da Fortuna

·        Renovação, lógica, eficácia;

·        Instabilidade, depressão, crítica;

XI – A Força

·        Autocontrole, vontade imperativa, magnetismo;

·        Egocentrismo, intolerância, competitividade;

XII – O Enforcado

·        Abnegação, dedicação, desapego;

·        Autosacrifício, apego exagerado, acomodação;

XIII – A Morte

·        Renovação, renúncia, firmeza;

·        Nostalgia, sedentarismo, inibição;

XIV – A Temperança

·        Moderação, sensatez, amizade;

·        Inconformismo, utopia, servilismo;

XV – O Diabo

·        Magnetismo, poder, carisma;

·        Prepotência, abuso, vícios;

XVI – A Torre

·        Realismo, honestidade, humildade;

·        Negligência, radicalismo, imprevisibilidade;

XVII – A Estrela

·        Dedicação, franqueza, otimismo;

·        Suscetibilidade, ironia, nervosismo;

XVIII – A Lua

·        Intuição, maternalismo, percepção;

·        Hipersensibilidade, medo, passividade;

XIX – O Sol

·        Bom humor, empreendorismo, pureza;

·        Narcisismo, desorganização, extremismo;

XX – O Julgamento

·        Resistência, colaboração, raciocínio rápido;

·        Preconceito, agitação, rigidez;

XXI – O Mundo

·        Expansão, entusiasmo, completude;

·        Comodismo, apreensão, insensatez;

XXII – O Louco

·        Aventura, energia, vitalidade;

·        Infantilidade, inconseqüência, precipitação;

Por [Vanessa Mazza]