Rider Waite – Motivo da Troca Numérica dos Arcanos Justiça e Força

O tarot é um instrumento de múltiplas aplicações, sendo mais popularizado por sua habilidade oracular. Assim, muitas pessoas descartam seus atributos iniciáticos e mágicos que são, entretanto, adotados pelas escolas de mistério como uma ferramenta para seus trabalhos e no desenvolvimento dosadeptos.

Independente de quaisquer considerações astrológicas, numerológicas e iniciáticas, os arcanos maiores nos colocam o tempo todo diante da questão da unificação e equilíbrio dos opostos, uns de forma bem evidente, outros mais velada.

Na disposição setenária destas lâminas (quadro abaixo, “Jung e o Tarot,Sallie Nichols), observamos que o nr. 11 ocupa a posição central: é o ponto de equilíbrio, o sustentáculo de todo o esquema e, consequentemente, o lugar mais importante.  Isto nos remete aos dois triângulos entrelaçados ou Estrela de David e também à esfera de Tipheret na Árvore da Vida, representante do amor incondicional, e para onde convergem as energias de todas as outras esferas. Talvez desejoso de enfatizar esta questão do equilíbrio, Waite tenha trocado a posição da Justiça e da Força e determinado uma nova atribuição das letras hebraicas aos arcanos, mormente­ em face que a  soma das letras do nome Deus YHVH é 26 que é 8:


………………. 22………………

1…..2…..3…..4…..5…..6…..7

8…..9…10….11…12..13…14

15..16..17….18…19..20…21

Algumas considerações ao examinar a Justiça e a Força:

A Justiça é a representação da Verdade, pois o que está em equilíbrio é intrinsicamente justo, e de natureza incorruptível, como o ouro (associado ao Sol): arcano o Sol 19 é 9-1 = 8. Por este motivo, a Força 11 poderia adotar onr. 8, devido a sua associação ao signo de leão e ao sol, para muitos.

“Verdade”, em hebraico, é “emet”, da qual se origina a palavra “metim”(mortos). Astrologicamente, a casa nr. 8 é a das grandes transformações, da vida e da morte, do oculto e da magia, existindo uma ligação da Justiça com a morte, que se utiliza do Ceifador em seu cotidiano para varrer a vida da face da Terra, ironicamente assim mantendo o seu equilíbrio.   Em português, vinda do grego, temos a palavra “emétrope”, pessoas que tem a visão normal, equilibrada, não são míopes nem astigmatas. Outras palavras de nosso dicionário também nos remetem a este conceito.  Pelo exposto, a Justiça seria o nr. 8 mesmo.

Como “8”, ela também ocupa a posição do meio, entre o 1 e o 15, na primeira coluna do setenário, significando que é o ponto de ligação entre omundo do espírito (O Mago) e o da matéria (O Diabo), representando a máxima do“assim em cima como embaixo”. Isto também é aplicável à Força, pois a mulher que segura a boca do leão é o superior (O Mago) em interação com o inferior (O Diabo), indicando equilíbrio da dualidade Mago-Diabo.

Equilíbrio por equilíbrio, outros arcanos poderiam, em tese, reinvindicar este lugar de honra. O Pendurado, que é o candidato para a sendada iniciação, se encontra no centro dos galhos da árvore. Ele não pende nem para um lado nem para o outro. Está em equilíbrio, aguardando que a porta seabra para começar seu trabalho. A Temperança também poderia estar lá, pois equilibradamente, faz a mistura dos elementos, numa busca constante e paciente pela síntese dos opostos. A Estrela, que já está em equilíbrio, recebe “miraculosamente”as bênçãos celestiais, conforme descrito na estória bíblica de Salomão.

Quanto às letras, analisando o desenho de Lamed, atribuída por Waite à Justiça 11, este nos mostra que sua parte superior é igual à inferior, o que seria uma outra imagem para os pratos da balança. Tradicionalmente, Lamed está atribuída ao Pendurado.

No caso da Força 8, Waite lhe atribui a letra “thet”, associada à serpente,neste deck representada na sinuosidade do rabo do leão. No Marseille,encontra-se bem escondida na boca do animal. Tradicionalmente, esta letra está atribuída ao Eremita, cujo bastão, no Marseille, tem a forma sinuosa deste réptil. No Waite, o bastão é completamente reto.

Mas, afinal, entre a Justiça e a Força, qual delas seria a ideal para ocupar este lugar de destaque?

Temos dois aspectos a considerar para este ponto central:  o do equilíbrio em si (Justiça 8, em hebraico, “tsadakah” ou retidão) e o do amor (Força 11, a dama que facilmente dociliza o leão, tranformando seu amor em poder).  A ligação íntima entre o amor e a justiça está expressa no conceito de  “tsedek”,que é um amor justo e uma justiça amorosa ao mesmo tempo, pois um não existe sem o outro.  Desta união perfeita surge a vida e o milagre de todas as coisas, 11 + 8 = 19 = O Sol.

Assim, tanto a Força quanto a Justiça poderiam ocupar a posição central com grande propriedade:

A Justiça 8 tem o equilíbrio perfeito, por isso pode exercer seu livre-arbítrio efetuando escolhas com sabedoria e discernimento. Também possui o domínio completo (Força 11) de situações ou pessoas que possam atingir seu interior e comprometê-la.

A Força 11, por sua vez, exerce o domínio completo sobre situações ou pessoas (na verdade, sobre os quatro elementos), mas primeiramente precisa domar a si própria para depois  estender seu poder, necessitando do perfeito equilíbrio da Justiça para realizar esta difícil tarefa.

Para que o retorno à Unidade aconteça, para entrarmos novamente no Éden,no Céu, é absolutamente indispensável o equilíbrio dos fluxos energéticos (Justiça 8). Este retorno está expresso na Força 11, pois, a mulher está amalgamada ao leão, este praticamente fazendo parte de seu corpo.   Através do poder do Mago, que é 1, ela sintetizou os elementos.  A Força é a detentora do poder que emana do equilíbrio perfeito.

Talvez Waite tenha optado por fazer sobressair apenas o aspecto do equilíbrio, deixando o  amor de lado e colocando no centro a Justiça com sua balança que, iconograficamente, é sua melhor representante.  Embora este arcano seja perfeitamente capaz de ter uma ótima troca amorosa, seus atributos de racionalidade e frieza são bem mais evidenciados.

O nr. 11 é divisível somente por si e pela unidade, enquanto o 8 édivisível por 1, 2, 4 e 8.  A meu ver, a Força traduz bem melhor o conceito de indivisibilidade de “tsedek”(amor-justiça/equilíbrio), uma vez que a dama amorosamente segura o leão,estando as forças do superior e inferior em perfeito equilíbrio, representado pelas figuras amalgamadas.

Apesar da grande interação entre a Justiça e a Força, uma vez que seutilizam uma da outra para executarem seus atributos, penso que devam permanecer em suas posições tradicionais, levando-se em conta o conceito de“tsedek”.

Parece-me, então, que Waite e outros teriam feito uma tentativa um tanto quanto capenga de trocar seis por meia dúzia.

Texto de
Luna Solis