O Tarô no Filme Labirinto

Chegando perto do Dia das Crianças e acabei tirando do baú um filme que marcou muito a minha infância e que assisti inúmeras vezes nessa fase: Labirinto, com o cantor e ator David Bowie e a atriz Jennifer Connelly bem novinha. Não lembrava muito da história, porém resolvi assisti-lo novamente e achei incrível!

Para fazer a análise tarólogica, eis aqui uma breve sinopse do filme: Sarah, uma garota sonhadora, está na transição entre o período da infância e adolescência. Ela tem um irmão ainda bebê e tem que cuidar dele durante seu final de semana. Irritada com a obrigação e o choro do irmãozinho, a moça começa a lhe contar uma história dizendo que o Rei dos Duendes vai pegá-lo. Bom, isso acontece de fato e a criança desaparece. Depois, misteriosamente uma coruja irrompe da janela, e com um vento ela se personifica em Jareth, o próprio Rei dos Duendes. Mas Sarah já está arrependida de seu desejo e suplica para devolver o bebê, e é quando a personagem de David Bowie desafia a moça a ir buscá-lo no seu castelo no centro do labirinto. Porém, ele lhe oferece apenas 13 horas para tal proeza, se ela não chegar a tempo, o pobre garotinho se tornará um dos duendes para sempre.

Jareth pode ser uma imagem do arcano do mago, com suas mãos ágeis no deslizar de suas esferas de cristal realizando mágicas e provocando fascínio na adolescente. Ele nos lembra algo do deus grego-romano Mercúrio, pois ao mesmo tempo que ele orienta, o deus das encruzilhadas também confunde os viajantes. Mas mercúrio era também o psicopompo, o guia da alma aos subterrâneos, e o labirinto pode representar essa jornada ao inconsciente, onde Sarah deve mergulhar e desvendar. Jareth rouba a criança e provoca a garota para que se perca totalmente nas encruzilhadas do labirinto, já apontando para as escolhas do arcano dos enamorados e as profundezas.  Por isso, o Rei dos Duendes é zombeteiro e também um mago negro, com todas as suas promessas e seduções do arcano do diabo. Na mitologia, o labirinto era do Minotauro, mas analogamente no filme é do rei dos duendes, que tem como súditos seres pequenos, meio animalescos, lembrando bastante a imagem do arcano, o diabo no pedestal com os diabinhos atados. Sarah em vários momentos se vê em má situação tendo de deixar-se levar pela magia e tentações de Jareth, mas também buscando a saída do labirinto na sua responsabilidade de crescer e amadurecer.

Coloque poder na mão de um ser humano e verá quem ele é…

Sarah é o louco na jornada, porém no seu caminho precisa absorver as qualidades do mago Jareth em seu espírito, ou seja de criança para uma jovenzinha mais esperta. Ela encontra alguns aliados e cada um deles demonstram também algo que a garota precisa incorporar a sua personalidade, a besta salva por ela mostra sua bondade, a raposa amiga sua coragem, o ranzinza duende sua indecisão, assim como outros demonstram os aspectos do Rei dos Duendes, servindo apenas para confundir mais. Em um nível interior, o encontro entre Jareth e Sarah representam imagens do feminino e masculino da jovem, em que Jareth é a figura do masculino ainda sombria, como também uma representação da sexualidade em Sarah que ainda precisa descobrir e lidar. Unir internamente o casal imperador e imperatriz internos, ou seja, ao invés de reclamar de cuidar do irmãozinho, zelar por ele, virar mulher (imperatriz) e respeitar os limites (imperador). Este casamento do feminino e masculino dentro de nós é retratado no Thot Tarô no arcano dos enamorados.

O Eremita celebra o casamento entre o imperador e a imperatriz.

A minha cena favorita como também acho que é a de grande parte dos sonhadores e românticos é quando o duende oferece um pêssego à jovem Sarah, porém a mando de Jareth. Após uma mordida ela entra em um estado de torpor e sonha. O símbolo usado no filme são as esferas de cristal que o rei dos duendes sopra no ar e viram bolhas de sabão. O outro símbolo claro, é que dentro das bolhas Sarah vê alguns de seus brinquedos, uma delas tem uma bonequinha vestida de princesa que logo após torna-se ela mesma. Nessa cena faço um paralelo então com uma sequência de copas. O 6 de copas onde os elementos da infância, do passado, as nossas inspirações, nossos sonhos e histórias de contos nos levam a crer no príncipe e princesa encantados. É esta a imagem que Sarah se vê quando entra nesse mundo mágico, com trajes de princesa, ela tem dificuldades de se despedir da infância e dos seus brinquedos, sendo isso toda a base da fantasia que Jareth cria para ela. Imagino que esse filme bate no 6 de copas dos leitores do artigo também…rs

Ahhh....aqueles tempos....

Porém, o ambiente está repleto de pessoas mascaradas como se estivessem no carnaval em Veneza. Poderíamos pensar nisso como uma festa de debutantes, que retrata justamente um rito de passagem para moças, mas nas imagens há algo das festas de Baco e sua embriaguez, com também um jogo de aparências. O próprio Jareth usa uma máscara com longos chifres pagãos logo quando ela chega ao local.

Brincadeira de gato e rato entre Sarah e Jareth.

Certamente já existem sinais de que este sonho é um pouco bizarro, pois o baile uma “festa estranha com gente esquisita”, as pessoas riem exageradamente e parecem até estar debochando da inocência da bela moça. E aí, vemos o 7 de copas como uma bolha de sabão, ou as atrações nas nuvens no tarô de Waite, ou no tarô de Thot “Deboche”, pois é tudo muito encantador, fantástico, mas não é real. Trata-se de uma ilusão criada pelo mago Jareth que com más intenções diabólicas, manipula a situação para ganhar tempo.

É romance ou prisão?

Apesar do Rei dos Duendes ser uma figura bastante excêntrica, há algo nele de tão diferente, de tão irreal que mesmo não sendo o príncipe clássico, deixa Sarah fascinada. Eu adoro especialmente a música “As The Worlds Falls Down”, que retrata muito bem este momento que mistura terror e encantamento, doce e nefasto, do casal romântico contrastando com os estranhos da festa. O 7 de copas é um arcano que aparenta ser um apêndice do arcano do diabo em várias situações da vida, pois envolve aquilo que desejamos e que nos afasta do mundo, assim como o atrativo das aparências. Contém o narcisimo infantil do 6 de copas em estágio avançado, onde nossos desejos e impulsos apenas são importantes, mas ao mesmo tempo são esses sonhos e desejos que nos apontam as ambições futuras e nos motivam a caminhar.

Enfim, Sarah percebe a armadilha do baile, enquanto dança com Jareth e o seu mundo cai mesmo! Então, é quando ela vê o relógio, escuta as badaladas e foge. Destrói a bolha de sabão por iniciativa própria e cai, cai…até pousar em um lixão! Esse é o 8 de copas. Pois é, a imagem do filme é muito boa para quem acabou de despertar de um grande sonho romântico e deixou a vida passar. No tarô de Thot é saturno em peixes, nos fazendo refletir sobre a “realidade das coisas”. Não adianta ficar sonhando acordados, auto-indulgentes, pois em um dado momento o relógio começa a tocar e temos que “cair na real”. No Tarô de Waite, retrata uma melancólica lua no céu, enquanto o viajante parte nas trevas.

Esta mesma cena do baile em uma visão alternativa pelos arcanos maiores, tem a inocência, inspiração e poesia da carta da Estrela, com o estranho Jareth em seu visual de cabelos pontiagudos e terno brilhante (é aquariano?) e a princesinha Sarah. A pureza e a renovação da fé, advém com esta sutileza do baile que o diretor do filme Jim Henson nos passa com genialidade e por isso este filme ainda nos faz voar na imaginação. Porém é uma bolha cor de rosa. O rio retratado no arcano da estrela corre para o mar, indo ao próximo arcano, a lua. O romantismo e a magia do feminino, mas também a ilusão, confusão, o medo e os sonhos. Afinal aquelas máscaras podem ser bem tenebrosas, não?!!

O despertar da desilusão: estourando a bolha de sabão...

O filme segue e outra cena fenomenal entre o Rei dos Duendes e Sarah. Jareth veste o arcano do diabo e pela última vez tenta seduzir Sarah oferecendo-se como escravo. Sei que muitas pessoas aceitariam a oferta! Porém, ela afirma com convicção: “você não tem poder sobre mim”. Jareth representa as paixões de Sarah por aquele mundo de sonhos e na realidade ela quem estaria se aprisionando. Assim, a jovem então consegue libertar-se do labirinto, retornando a sua casa e com o irmão a salvo. Mas o filme não tem uma lição de moral negativa, que devemos ser chatos e arcaicos e apenas nos apegarmos aos deveres e obrigações.

"Tema-me, ame-me, obedeça-me, e eu serei o seu escravo..."

Quando ela retorna ao seu quarto, os amigos da fantasia perguntam através do espelho se ela ainda precisa deles. E então, ela diz que sim e todos os personagens aparecem, confirmando que sempre há espaço para nossa criança, que mesmo que tenhamos nossas obrigações é necessário também haver magia e estarmos abertos as nossos desejos mais caros. Sarah tem alma de artista, com seus livros de história, contos, é por isso que arcanos como o 6, 7, 8 de copas, lua, não apenas mostram ilusões, mas também inspiração e a origem da imagens que nos estimulam seja pela dor ou pelo amor,  e que podem até mesmo vir a ser traduzidas na arte e na literatura. Todos temos nossos labirintos e estamos diante de escolhas e decisões, buscando o fio condutor que nos guiará ao nosso centro e aquilo que realmente somos. Entrando em contato com o inconsciente e trazendo à luz do arcano Sol, que afinal de contas possui duas crianças na imagem.

Espero que no dia 12, todos tenham um Feliz dia das crianças! 🙂

Luciana Lebel
Taróloga e Psicóloga

  • interessante o filme labirinto e o tarô.  É isso ai pessoal, netuno em peixes está ajudando na divulgação do misticismo…porém, o tarô é muito mais do que puro misticismo. Ora, o tarô é ciência esotérica misturado com espiritualidade, filosofia, conhecimento, experiência, as vezes, guias espirituais e muito mais…viva o tarô

  • adoro o tarô e sou tarólogo a um bom tempo.  estou ajudando as pessoas por ai…http://sites.google.com/site/jeanoastrologoeossignos

  • elcio

    sou tarólogo ha muito tempo! mas sempre que vejo qualquer método de estudo ou leitura fico muito fascinado. É como no arcano dez de copas no tarô mitológico.

  • Ahhh!! O filme da minha vida e reler este brilhante artigo hoje , num dia como este dá uma nostalgia tão grande..