INTUIÇÃO, A CHAVE INTERIOR

Rabindranath Tagore* conta que certa vez, passeando de barco pelas águas do rio Ganges, viu um peixe vir à superfície para apanhar alguma coisa, um inseto ou um fruto. Quando o animal girou o corpo para mergulhar novamente, suas escamas prateadas refletiram o céu límpido daquela tarde ficando totalmente azuis, espelhando o céu luminoso. Um espetáculo de beleza natural! O grande poeta indiano então concluiu: “A intuição deve ser isso, algo que emerge das profundezas da alma e que por um momento reflete o infinito…”

Essa é  com certeza a mais bela afirmação sobre o processo intuitivo que eu já li em toda a minha vida! O difícil mesmo é saber como ela opera em cada pessoa, tamanha é a sua particularidade, a sua pessoalidade. O tarot é um dos instrumentos que melhor exercita e desenvolve a intuição. Uma vez aberta as portas dessa percepção elas nunca mais se fecham, a intuição passa ser a chave com a qual abrimos sempre a consciência quando precisamos de orientação, e não apenas numa consulta ao tarot!

Os tarólogos por sua vez também demonstram diferentes maneiras de lidar com a sua própria intuição, por isso conhecer seus estilos de jogo é um meio fascinante de se aproximar do modo como a sua intuição funciona, muito embora isso seja, e será sempre, um mistério!

Conheci certa vez uma taróloga que se utilizava apenas dos arcanos maiores em suas leituras, e que para iniciar uma consulta pedia que se desse uma um tema para ser trabalhado, algo como amor, dinheiro, projetos, etc. Então ela pedia que se tirasse um certo número de cartas do maço com vinte e dois arcanos e as colocava sobre a mesa de modo aparentemente aleatório, desenhando formas geométricas exóticas. Conforme as perguntas evoluíam, ela mudava a disposição das cartas, nunca repetindo a sequência. Impressionava-me bastante ela revelar fatos subjacentes ao tema escolhido dos quais eu tinha conhecimento, mas que não havia revelado. Elogiei sua acurada percepção e perguntei como ela decorava tantos modos de deitar as cartas. Ela me olhou calmamente e disse que não decorava, que as cartas eram mesmo postas aleatoriamente e que cada posição não tinha um significado pré-estabelecido. Os desenhos simplesmente apareciam em sua mente e ela os colocava sobre a mesa, os significados então se abriam… Fiquei estupefato! Foi a forma mais estranha de ler as cartas do tarot que já tinha visto.

Uma amiga de muitos anos usa as cartas de um modo mais disciplinado e tradicional, combinando um arcano maior a um menor na leitura. Tem por hábito utilizar-se da mandala astrológica em suas sessões e já “trocamos figurinha” como eu costumo dizer. Intriga-me também o quanto de informação ela pode tirar da combinação de duas cartas, sem fazer outras relações com casas correspondentes, por exemplo, ao passo que em outras não saía mais do que uma frase.

Para mim foi um longo caminho de descoberta, experimentei muitos métodos de ler as cartas, tanto para mim quanto para os outros. Atualmente eu as leio com as setenta e oito cartas misturadas, arcanos maiores e menores. Lendo assim, os arcanos funcionam como letras que ao serem combinadas, formam frases claras e precisas em minha mente. A predominância de um ou outro naipe revela o elemento dominante e a direção psicológica de quem se consulta. A falta de um naipe também me é muito reveladora. Sinto assim o peixe da minha intuição emergindo das profundezas da minha alma! E é muito prazeroso e satisfatório, e não só para mim…

A chave da intuição deve ser descoberta por cada um sem interferência externas, ouvir autores e professores é um bom modo de se iniciar, mas não pode ser o fim de um processo. O que é anunciado como o melhor e mais eficiente método é, na verdade, o caminho que fez com que aquele professor ou autor encontrasse a chave da sua intuição, mas que não deve nunca invalidar a descoberta de cada um. Conhecer o meio pelo qual acessamos a sabedoria do inconsciente coletivo através da intuição é um passo importante no caminho do autoconhecimento e autodesenvolvimento. O que requer tempo paciência e muita auto-observação.

*Sadhana, O Caminho da Realização. Edit. Paulus.

JAIME E CANNES. TARÓLOGO