2010 – O Ano em que faremos Contato (com a Imperatriz!)

Começamos mais um ano, saindo da energia da carta da força, onde tentamos controlar o leão raivoso da economia, das guerras e conflitos. Onde matamos um leão por dia nas relações conturbadas e trabalho. Agora, entramos em 2010, ano cuja soma daria o número 3, correspondente a carta da imperatriz no tarot. Podemos respirar aliviados?Talvez ainda não, pois todo arcano traz um desafio com ele. Após tantas tensões, seja necessário pensarmos na questão com um pouco mais de “cuidado” e amor. Este ano pede por mais sensibilidade, receptividade e comunicação harmoniosa. Com seus amigos, vizinhos, com o estrangeiro. Mostre a si mesmo, saia do armário!!

Será um ano cujos temas da “mulher” estarão em alta, afinal esta lâmina representa a grande porção do feminino do tarot. A nossa mãe terra, os relacionamentos afetivos, a auto-estima, o desabrochar da vida, da criatividade,o prazer,  a arte, a nossa auto-expressão no mundo, tudo isso abrange o tema da lâmina.

O ano de 2010 infelizmente, iniciou-se marcado por algumas tragédias, deslizamentos, terremotos.  A nossa grande mãe, que nos alimenta, nos apóia, anda sofrendo muitas transformações por causa das insanidades do homem e ignorância dos seus movimentos próprios. Se continuarmos a viver o desamor uns pelos outros, pelo meio-ambiente e pelos animais que aqui habitam e possuem o mesmo direito de dela se alimentar, pode tornar as perspectivas para o ano inclinados a outros problemas dessa dimensão trágica. Essa mãe-terra pode ser também vingativa e nos fazer refletir sobre ingratidão.

Quando somos regidos por uma energia, ela tanto pode ser conduzida de maneira positiva quanto negativa. Se estivermos bem orientados para o melhor da carta de imperatriz, estaremos mais abertos, dispostos aos relacionamentos. Esta carta possui o 2 da carta da papisa, trazendo compreensão, conforto, como a habilidade de comunicar e transmitir para os outros do mago.  A imperatriz é quando as qualidades da papisa afloram!Quando o invísivel por trás dos véus se manifesta em todas as representações físicas e conhecidas por nós na vida. Para isto ser absorvido por nós, a nossa auto-estima terá de estar equilibrada, para que possa aflorar o melhor de nosso interior.Para que possamos entender que em cada ser, planta, animal e o próprio homem, são manifestações desse divino misterioso, oculto pela papisa e abundante de vida e ao nosso alcance, na carta da imperatriz.

Embora auto-estima esteja amplamente divulgada nos livros de auto-ajuda, como algo muito ligado a nos sentirmos belos e queridos,  esse conceito é muito mais solicitado nas situações críticas, em que precisamos de muito jogo de cintura para lidar com os problemas. A imperatriz tem esse jogo de cintura mais que ninguém, ela consegue tirar vida da lama, como uma lótus que nasce no pântano. Seu amor próprio é uma condição interna que transborda ao exterior, e não o contrário. A auto-estima da Imperatriz é instransferível.

Essa energia feminina, em um nível mais mundado, confere atração, sensualidade, favorece às áreas que lidam com a beleza, moda, arte, cosméticos, cirurgias plásticas, vaidade, e em um nível mais elevado,  a um coração mais amoroso, acolhedor,  as instituições e pessoas que auxiliam os que precisam, adoção de crianças, proteção dos mais frágeis.  Um ano para se ter bebês!Mas não necessariamente no sentido literal, mas aquilo que optamos por zelar, nutrir e favorecer o crescimento por amor, boa vontade! Se somarmos o ano, sem ignorar o número 10, temos a carta do pendurado, que fala de tempos difíceis, de sofrimento, onde todo o apoio, o lado mãe da carta da imperatriz será necessário. Acredito que com as tragédias que se iniciaram o ano, mostram como na hora das dificuldades, todos precisam largar as suas futilidades e auxiliar os outros, tornando possível a união entre países diferentes, quando lembramos ser sobretudo, humanos. O desamparo, como um filho desgarrado de uma mãe, a sua imperatriz, pode acontecer para qualquer um.

Caso não haja a polaridade positiva da imperatriz, teremos mais ostentação, mais extravagâncias materiais e de comportamento. Esta mulher quando não está na sua melhor forma, pode se tornar superficial e vaidosa, luxuriosa e egoísta. Quando não, alguém de extremo mau gosto.  Precisa chamar atenção, devido a uma carência íntima. Por isso talvez no decorrer do ano, vejamos ainda mais no cenário mundial pessoas muito lindas e poderosas mostrando uma total ausência de conteúdo e algumas extravagâncias para chamar atenção do público. Mais escândalos, fugacidades e histeria na mídia tendem a crescer em um ano imperatriz. Se positivo, as mulheres estarão se destacando e mostrando sua força em vários campos e mostrando sua autoridade, charme e nobreza. Os movimentos feministas estarão valorizados, ou pelo menos, um movimento em que as mulheres precisam assumir-se como são e não imitar homens.

Se formos pensar em termos de política, a imperatriz negativa pode ser péssima coisa. É como viver em um palácio distante, sem desejar muito contato com a realidade das coisas. Sendo ano de eleições no Brasil, talvez isso se reflita nas já conhecidas campanhas. Se o lado maternal se sobressair pode refletir mais políticas de assistencialismo, mais promessas de mamadeiras do governo, relações de dependência.  Caso isso ocorra de maneira positiva, haverá sensibilidade para perceber o que realmente se necessita suprir, uma comunicação mais aberta com o povo.

Em 2009, a soma do ano foi 11, carta da força.  Se formos ver  cada número 1 como uma “vontade”, no caso do 11, duas geram confllito, a luta pelo equilíbrio. Se somarmos, teremos o número 2, que pode ser tanto a complementação de polaridades,  quanto a oposição.  Mas a dualidade pode promover a geração de um terceiro, o número 3.  Pai, Mãe e filho. Sobretudo, o ano 3 é uma pespectiva de criação. Por mais que passemos por atritos, o choque dos opostos do número 11/2, no número 3 é quando se realiza a mágica da vida, transformação, criação de novas coisas! É na relação de duas pessoas, que pode vir à luz um terceiro. Esse terceiro pode ser um filho, uma relação inesquecível e importante, uma produção, arte, enfim algo evidente.De uma discussão, de uma raiva mal elaborada, talvez a luz de uma nova compreensão.

O florescimento da carta da imperatriz pode ser pessoal ou global, mas o importante é que nos sintonizemos no melhor desta carta, pois seus apelos ao prazer e ao conforto são muito convidativos.  Claro que devemos aproveitar, quem não gosta de se sentir atraente e desejado?Como diz a música do dancing days: “Abra suas asas, solte suas feras!Quero ver seu corpo lindo, leve e solto”.

Apenas, lembremos que a imperatriz é soberana de um povo e a ele deve devotar-se! Inspirar e fazê-los acreditar na vida. É uma rainha da terra e tem o dever de preservá-la!

Astrologicamente, estaremos sendo regido por Vênus, planeta que combina com a carta da imperatriz. A Vênus exaltada, onde o amor ao próximo, solidário é mais proeminente, já teria analogias com a carta do pendurado(12 = 1+2= 3). Quando pensamos em amor ao outro e amor próprio, jogamos com essas duas cartas. Qual a nossa capacidade de troca?De dar e receber?Quanto gostamos de nós mesmos?Quanto nos esforçamos para agradar aos outros e esquecemos quem somos? Quanto focamos apenas em nossas aparências?Amor ou egoísmo?

Espero que todos possamos florescer sabiamente em 2010!

Luciana Lebel – Taróloga e psicóloga